jump to navigation

acordei a pensar nesta frase… Agosto 4, 2010

Posted by paulo jorge vieira in Uncategorized.
trackback
Aquele trem de imagens dolorosas estava eivado da

especificidade epistemológica da identidade e da situação gay em

nossa cultura. Ressoante como é para muitas opressões

modernas, a imagem do armário é indicativa da homofobia de

uma maneira que não o pode ser para outras opressões. O

racismo, por exemplo, baseia-se num estigma que é visível, salvo

em alguns casos excepcionais (casos que não são irrelevantes,

mas que delineiam as margens, sem colorir o centro da

experiência racial). O mesmo vale para as opressões fundadas em

gênero, idade, tamanho, deficiência física. Opressões étnicas/

culturais/religiosas, como o anti-semitismo, são mais parecidas,

pois o indivíduo estigmatizado tem pelo menos alguma liberdade

de ação – embora, o que é importante, não se possa garantir

quanta – sobre o conhecimento das outras pessoas acerca de sua

participação no grupo: poder-se-ia “sair do armário” como judeu

ou cigano, numa sociedade urbana heterogênea, de maneira mais

inteligível do que se poderia “sair” como, digamos, mulher, negro,

velho, usuário de cadeira de rodas ou gordo. De qualquer

maneira, uma identidade judia ou cigana (por exemplo) e,

portanto, um segredo ou armário judeu ou cigano seriam

diferentes das versões distintamente gays dessas coisas em sua

clara linearidade ancestral, nas raízes (por mais tortuosas ou

ambivalentes) da identificação por meio da cultura originária que

cada indivíduo tem (no mínimo) na família.

Eve Kosofsky Sedgwick, “Epistemologia do Armário”

(também no 5 dias)

Anúncios

Comentários»

1. cinco dias » acordei a pensar nesta frase… - Agosto 4, 2010

[…] acordei a pensar nesta frase… 4 de Agosto de 2010 por Paulo Jorge Vieira Aquele trem de imagens dolorosas estava eivado da especificidade epistemológica da identidade e da situação gay em nossa cultura. Ressoante como é para muitas opressões modernas, a imagem do armário é indicativa da homofobia de uma maneira que não o pode ser para outras opressões. O racismo, por exemplo, baseia-se num estigma que é visível, salvo em alguns casos excepcionais (casos que não são irrelevantes, mas que delineiam as margens, sem colorir o centro da experiência racial). O mesmo vale para as opressões fundadas em gênero, idade, tamanho, deficiência física. Opressões étnicas/ culturais/religiosas, como o anti-semitismo, são mais parecidas, pois o indivíduo estigmatizado tem pelo menos alguma liberdade de ação – embora, o que é importante, não se possa garantir quanta – sobre o conhecimento das outras pessoas acerca de sua participação no grupo: poder-se-ia “sair do armário” como judeu ou cigano, numa sociedade urbana heterogênea, de maneira mais inteligível do que se poderia “sair” como, digamos, mulher, negro, velho, usuário de cadeira de rodas ou gordo. De qualquer maneira, uma identidade judia ou cigana (por exemplo) e, portanto, um segredo ou armário judeu ou cigano seriam diferentes das versões distintamente gays dessas coisas em sua clara linearidade ancestral, nas raízes (por mais tortuosas ou ambivalentes) da identificação por meio da cultura originária que cada indivíduo tem (no mínimo) na família. Eve Kosofsky Sedgwick, “Epistemologia do Armário” (também aqui) […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: