jump to navigation

Género e Território na Geografia Portuguesa Fevereiro 17, 2012

Posted by paulo jorge vieira in geografias, sexualidades e géneros, teoria e epistemologia da geografia.
trackback

“Aceitando uma concepção do feminismo como um movimento político e um campo teórico de análise, e que se manifesta por uma diversidade de abordagens, as chamadas ‘geografias feministas’, então eu sou influenciada por elas. Se quero mudar as relações entre o sexo, o gênero e o poder, tenho de manter um compromisso político. Não é tarefa simples porque este discurso teórico abala os fundamentos das instituições sociais nas suas aborrecidas e convencionais divisões de gênero. E procuro que não se entenda a minha mensagem como aquela que desmascara a oposição homem/mulher porque essa postura remete para o ‘gênero’ como um atributo do feminino. E a crer pelas sessões públicas de divulgação do trabalho que o grupo do CEG faz pelo país, essa é avia errada. Então, procuro que o nosso contributo consista em aclarar a relações entre as divisões de género e as espaciais, e mostrar os problemas ocultos por detrás da aparente neutralidade dos lugares. O que me preocupa neste momento como área de pesquisa, é desvendar o modo distinto como mulheres e homens, ao longo dos seus ciclos de vida, e portanto com diferentes necessidades e aspirações, utilizam o espaço público e essas diferenças são – em parte – construídas e, não raras vezes, aprofundadas pelos planeadores e processos de planeamento. E deste modo, torna-se imprescindível repensar o conceito de espaço público introduzindo a ideia que a sua configuração ou desenho, bem como as suas ofertas (equipamentos, bens e serviços) consentem o acesso de uns e dificultam o de outros. No papel social, que acredito a geografia ter, este é agora o meu foco: mostrar, através de evidências, que o território não é neutro e que a equidade territorial deve ser um objetivo a não perder de vista, sobretudo por parte de quem tem responsabilidades no ordenamento do território. Os recursos do território devem ser equitativamente acessíveis, só assim o princípio da igualdade social se aplica” (Margarida Queirós)

No último número da Revista Latino Americana de Geografia e Género, publicado recentemente, a geógrafa portuguesa Margarida Queirós questiona deste modo as relações entre género, geografia e políticas de ordenamento do território e ambiente. A entrevista, realizada por mim e por Joseli Maria Silva, é um bom exemplo do debate sobre as relações entre geografia e género, bem como, problematiza e reflecte do que pode ser a investigação geográfica sobre esta temática.

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: