jump to navigation

somos filhos da madrugada Fevereiro 23, 2012

Posted by paulo jorge vieira in activismo.
trackback

Somos filhos da madrugada
Pelas praias do mar nos vamos
À procura de quem nos traga
Verde oliva de flôr no ramo
Navegamos de vaga em vaga
Não soubemos de dor nem mágoa
Pelas praias do mar nos vamos
À procura da manhã clara
Lá do cimo duma montanha
Acendemos uma fogueira
Para não se apagar a chama
Que dá vida na noita inteira
Mensageira pomba chamada
Companheira da madrugada
Quando a noite vier que venha
Lá do cimo duma montanha
Onde o vento cortou amarras
Largaremos pela noite fora
Onde há sempre uma boa estrela
Noite e dia ao romper da aurora
Vira a proa minha galera
Que a vitória já não espera
Fresca brisa, moira encantada
Vira a proa da minha barca

(o poema diz tudo. nada mais precisamos do que o poema, a melodia e a voz! o poema que de nós fala. filhos de uma madrugada nova. rebentos de uma esperança renovada de um mundo outro)

(também aqui)

Comentários»

1. somos filhos da madrugada | cinco dias - Fevereiro 23, 2012

[…] (também aqui) […]

2. Luis Almeida - Fevereiro 24, 2012

Que maravilha! Que deleite! Necessitávamos de alguém que fosse, não uma cópia dele, mas, cujo trabalho adequasse aos tenebrosos tempos que vivemos, a mesma dose de talento…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: