jump to navigation

… relembrar (sempre) gisberta… Abril 11, 2013

Posted by paulo jorge vieira in LGBT em portugal, sexualidades e géneros.
trackback

cartaz gisberta 2

“GISBERTA” – De 01 a 31 de Maio – De quinta a segunda-feira.
Sessões: 18h15 – 18h45 – 19h15 – 19h45 – 20h15
TEATRO RÁPIDO
Rua Serpa Pinto, 14 – Chiado
Tel.: 213 479 138 / 910 228 353

Rita Ribeiro estará em cena com a peça “GISBERTA”, que terá a sua estreia no próximo dia 01 de Maio, no Teatro Rápido, um espaço inaugurado há um ano no Chiado, com um conceito inovador e já reconhecido pelo público e imprensa especializada (recebeu no princípio deste ano o prémio “Novidade 2012” atribuído pela revista Time Out).

Pela primeira vez em sua carreira, Rita Ribeiro estará a interpretar um monólogo. A história real de uma mãe que perdeu o “seu menino”, brutalmente assassinado por 14 adolescentes, no ano de 2006, na cidade do Porto. Gisberta era uma transexual que sofreu todo o tipo de preconceito e acabou por ser morta após três dias consecutivos de uma violência física e moral sem precedentes em Portugal.

“GISBERTA” obedece ao conceito das peças apresentadas no Teatro Rápido: Duração de 15 minutos, sendo apresentada em 5 sessões diárias de quinta a segunda-feira. Segue ainda o conceito criado de serem espetáculos com temas que se alteram mensalmente. “GISBERTA” insere-se no tema do mês de Maio: “Mater”.

Sinopse: “GISBERTA”

Angelina é a mãe da transexual Gisberta que foi morta barbaramente no ano de 2006, na cidade do Porto, vítima da violência de 14 jovens internos de uma instituição católica. Durante a peça Angelina vai relatar a um jornalista fatos da vida do “seu menino”, desde a infância até o momento em que parte do Brasil em busca do seu direito de ser vista e respeitada como mulher. Angelina fala da sua dificuldade em aceitar a identidade de género do filho e das várias tentativas de o dissuadir, ainda na infância, a não seguir um caminho por ela e por muitos considerado “anti-natura”; da violência e do abandono familiar; da saudade; da culpa; do arrependimento… Mas no discurso de Angelina, por um lado delator da sua deceção, vergonha e ignorância, há uma ternura que revela o amor incomensurável desta mãe pelo seu filho. Um sentimento que se mistura à revolta contra àqueles que mataram o “seu menino”, e a uma subsequente negação à Deus. Angelina também assumirá a sua parcela de culpa por nunca ter sido capaz de realizar o desejo mais fulcral do “seu menino”: ser tratada por Gisberta.

Ficha Técnica:
Texto e Encenação: Eduardo Gaspar
Interpretação: Rita Ribeiro
Direção de Produção: Célia Caeiro
Música Original: Marcelo Pellegrini
Figurino: Dino Alves
Maquilhagem: Cauê dos Santos
Criação Gráfica e Fotografias: Inês Torres da Silva
Vídeo: Daniel Amaro
Interpretação em vídeo de Gisberta: Lara Crespo

Apoio e consultoria de Grupo Transexual Portugal

Anúncios

Comentários»

1. Eduardo Gaspar - Abril 12, 2013

Obrigado, Paulo pelo apoio na divulgação. Um grande abraço Eduardo Gaspar


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: