jump to navigation

Judith Butler about/sobre Paris Novembro 22, 2015

Posted by paulo jorge vieira in Uncategorized.
trackback

Paris-2.jpg

(versão em português em baixo)

“Mourning becomes the law”—Judith Butler from Paris

Letter from Judith Butler, publish by Versobooks

I am in Paris and passed near the scene of killing on Boulevard Beaumarchais on Friday evening. I had dinner ten minutes from another target. Everyone I know is safe, but many people I do not know are dead or traumatized or in mourning. It is shocking and terrible. Today the streets were populated in the afternoon, but empty in the evening. The morning was completely still.

It seems clear from the immediate discussions after the events on public television that the “state of emergency”, however temporary, does set a tone for an enhanced security state.  The questions debated on television include the militarization of the police (how to “complete” the process),, the space of liberty, and how to fight “Islam” – an amorphous entity.   Hollande tried to look manly when he declared this a war, but one was drawn to the imitative aspect of the performance so could not take the discourse seriously.

And yet, buffoon that he is, he is acting as the head of the army now.   The state/army distinction dissolves in the light of the state of emergency. People want to see the police, and want a militarized police to protect them. A dangerous, if understandable, desire. The beneficient aspects of the special powers accorded the sovereign under the state of emergency included giving everyone free taxi rides home last night, and opening the hospitals to everyone affected, also draws them in. There is no curfew, but public services are curtailed, and no demonstrations are allowed. Even the “rassemblements” (gatherings) to grieve the dead were technically illegal. I went to one at the Place de la Republique and the police would announce that everyone must disperse, and few people obeyed. That was for me a brief moment of hopefulness.

Those commentators that seek to distinguish among sorts of Muslim communities and political views are considered to be guilty of pursuing “nuances.” Apparently,the enemy has to be comprehensive and singular to be vanquished, and the difference between muslim and jihadist and ISIL becomes more difficult to discern in public discourse. The pundits were sure who the enemy was before ISIL took responsiblity for the attacks.

It was interesting to me that Hollande announced three days of mourning as he tightened security controls – another way to read the title of Gillian Rose’s book, “mourning becomes the law.” Are we grieving or are we submitting to increasingly militarized state power and suspended democracy? How does the latter work more easily when it is sold as the former?  The public days of mourning are to be three, but the state of emergency can last up to twelve days before the national assembly has to approve it.

But also, the state explains it must now restrict liberties in order to defend liberty – that seems to be a paradox that does not bother the pundits on television. Yes, the attacks were quite clearly aimed at iconic scenes of daily freedom in France: the cafe, the rock concert venue, the football stadium.  In the  rock concert hall, there was apparently a diatribe by one of the attackers committing the 89 brutal assasinations, blaming France for failing to intervene in Syria (against Assad’s regime), and blaming the west for its intervention in Iraq (against the Baathist regime). So, not a position, if we can call it that, against western intervention per se.

There is also a politics of names: ISIS, ISIL, Daesh. France will not say “etat islamique” since that would be to recognize the state. They also want to keep  “Daesh” as a term, so it is an Arabic word that does not enter into French. In the meantime, that organization took responsibility for the killings, claiming that they were retribution for all the aerial bombing that has killed muslims on the soil of the Caliphate. The choice of the rock concert as a target – a sight for assasinations, actually – was explained: it hosted “idolatry” and “a festival of perversion.” I wonder how they come upon the term “perversion.” Sounds like they were reading outside of their field.

The presidential candidates have chimed in: Sarkozy is now proposing detention camps,  explaining that it is necessary to be arresting those who are suspected of having ties to jihadists. And Le Pen is arguing for “expulsion”, having only recently called new migrants “bacteria.” That one of the killers of Syrian origin clearly entered France through Greece may well become a reason for France to consolidate its nationalist war against migrants.

My wager is that the discourse on liberty will be important to track in the coming days and weeks, and that it will have implications for the security state and the narrowing versions of democracy before us. One version of liberty is attacked by the enemy, another version is restricted by the state. The state defends the version of liberty attacked as the very heart of France, and yet suspends freedom of assembly (“the right to demonstrate”) in the midst of its mourning and prepares for an even more thorough militarization of the police. The political question seems to be, what version of the right-wing will prevail in the coming elections?  And what now becomes a permissable right-wing once le Pen becomes the “center”. Horrific, sad, and foreboding times, but hopefully we can still think and speak and act in the midst of it.

Mourning seems fully restricted within the national frame. The nearly 50 dead in Beirut from the day before are barely mentioned, and neither are the 111 in Palestine killed in the last weeks alone, or the scores in Ankara. Most people I know describe themseves as “at an impasse”, not able to think the situation through. One way to think about it may be to come up with a concept of transversal grief, to consider how the metrics of grievability work, why the cafe as target pulls at my heart in ways that other targets cannot. It seems that fear and rage may well turn into a fierce embrace of a police state. I suppose this is why I prefer those who find themselves at an impasse. That means that this will take some time to think through.  It is difficult to think when one is appalled. It requires time, and those who are willing to take it with you – something that has a chance of happening in an unauthorized “rassemblement.”

Judith

***

Versão em português do mesmo texto numa tradução de Sofia Nestrovski para a revista CULT

 

Estou em Paris. Ontem à noite, passei por perto do local da matança na rua Beaumarchais. Jantei em um lugar que fica a dez minutos de outro alvo dos ataques. Todos que eu conheço estão bem, mas muitos que eu não conheço estão mortos, traumatizados ou em luto. É escandaloso e terrível. Hoje as ruas estiveram movimentadas de tarde, mas vazias à noite. A manhã acordou inerte. As discussões televisivas que ocorreram imediatamente após os eventos parecem deixar claro que o “estado de emergência”, ainda que temporário, na verdade cria precedente para uma intensificação do estado de segurança. As questões debatidas na televisão incluem a militarização da polícia (de que modo “completar” esse processo), o espaço da liberdade, e a luta contra o “islã”, este último entendido como uma entidade amorfa. Hollande, ao nomear isso como “guerra”, tentou parecer másculo, mas o que chamou atenção foi o aspecto imitativo de sua performance – tornou-se difícil, então, levar seu discurso a sério. E no entanto, é esse agora o bufão que assume o papel de cabeça do exército.

 

A distinção entre estado e exército se dissolve em um estado de emergência. As pessoas querem ver a polícia, querem uma polícia militarizada para protegê-las. Um desejo perigoso, ainda que compreensível. Muitos são atraídos pelos aspectos beneficentes dos poderes especiais concedidos ao soberano em um estado de emergência, como as corridas gratuitas de táxi na noite de ontem para qualquer um que precisasse voltar para casa, e a abertura dos hospitais para todos que foram atingidos. Não há toque de recolher instaurado, mas os serviços públicos foram reduzidos e as manifestações, proibidas – inclusive os “rassemblements” (encontros) para lamentar os mortos foram considerados ilegais. Compareci a um desses encontros na Place de la République, onde a polícia reiterou que todos deviam se dispersar, e poucos obedeceram. Nisso vi um breve momento de esperança.

 

Os que comentam os eventos buscando distinguir as diferentes comunidades muçulmanas, com suas diversidades de posição política, são acusados de procurarem “nuances”: o inimigo precisa ser total e uno para ser aniquilado, e as diferenças entre muçulmanos, jihadistas e o Estado Islâmico vão ficando mais difíceis de discernir nos discursos públicos. Mesmo antes do ISIS assumir a responsabilidade pelos ataques, muitos já apontavam o dedo, com total certeza, ao Estado Islâmico. Pessoalmente, achei interessante que Hollande tenha proclamado três dias de luto oficial ao mesmo tempo em que intensificou os controles de segurança, algo que traz um modo a mais de interpretar o título do livro de Gillian Rose, “Mourning becomes the law”(O luto torna-se lei). Estaríamos vivendo um momento de luto ou uma submissão a um poder de estado cada vez mais militarizado, de suspensão da democracia? De que maneira esse modelo de estado se instaura com maior facilidade quando é vendido em nome do luto? Serão três dias de luto público, mas o estado de emergência poderá se estender por até 12 dias até que seja necessária sua aprovação em assembleia nacional. E ainda, a explicação do estado é de que é preciso restringir liberdades a fim de defender a liberdade – um paradoxo que não perturba os doutos comentaristas da televisão. De fato, os atentados foram evidentemente direcionados a locais emblemáticos da circulação livre e cotidiana na França: o café, a casa de shows, o estádio de futebol. Na casa de shows, aparentemente, um dos assassinos responsáveis pelas 89 mortes violentas acusou a França de ter falhado na intervenção na Síria (contra o regime de Assad), e o Ocidente, pela intervenção no Iraque (contra o regime baathista). Não se trata, portanto, de um posicionamento (se é que podemos chamá-lo assim) totalmente contrário à intervenção ocidental em si.

 

Há, ainda, uma política dos nomes: ISIS, ISIL, Daesh. A França recusa-se a dizer “état islamique” para não reconhecer sua existência enquanto estado. Querem manter o termo “Daesh”, palavra árabe que não é acolhida pela língua francesa. Nesse meio tempo, foi essa a organização que assumiu a responsabilidade pelos ataques, afirmando que se tratava de uma retaliação pelo bombardeio que matou muçulmanos em território do califado. A escolha de um show de rock como alvo de ataque – como cenário para os assassinatos, na verdade – recebeu a justificativa de que ali seria um local de “idolatria”, de um “festival de perversão”. Eu me pergunto onde eles encontraram o termo “perversão” – parece que estiveram lendo uma bibliografia de outra área.

 

Os candidatos à presidência já chegaram com suas opiniões: Sarkozy agora está propondo campos de detenção, afirmando ser necessário prender qualquer um suspeito de ter ligações com jihadistas. E Le Pen advoga pela “expulsão”, ela que há pouco chamou de “bactérias” os novos imigrantes. É bem possível que a França consolide sua guerra nacionalista contra os imigrantes a partir do fato de que um dos assassinos claramente entrou no país pela Grécia. Minha aposta é de que será importante acompanhar o discurso sobre a liberdade nos próximos dias e semanas, pois irá trazer implicações para o estado de segurança e o achatamento das versões de democracia que temos diante de nós. Uma liberdade é atacada pelo inimigo; outra é restringida pelo estado, que defende o discurso do “ataque à liberdade” pelo inimigo como um ataque à essência do que é a França, mas suspende a liberdade de reunir-se (o “direito à manifestação”) em meio ao luto, e prepara uma militarização ainda maior da polícia.

 

A questão principal parece ser: qual vertente da extrema direita prevalecerá nas próximas eleições? E o que será a “direita tolerável” quando Marine le Pen for considerada de “centro”? São tempos assustadores, tristes e preocupantes, mas há a esperança de que ainda somos capazes de pensar, falar e agir em meio a tudo isso. O processo de luto parece ter sido totalmente restringido dentro do território nacional. Praticamente não se fala dos quase 50 mortos em Beirute no dia anterior, tampouco dos 111 mortos na Palestina apenas nessas últimas semanas. A maioria das pessoas que eu conheço dizem que estão em um “impasse”, incapazes de pensar a fundo sobre a situação. Uma das maneiras de pensar sobre ela talvez venha com a invenção de um conceito de luto transversal – de considerar como a métrica do lamento se dá, como e por que os assassinatos no café me comovem de modo mais intenso que os ataques ocorridos em outros locais. Parece que o medo e a raiva poderão se transformar em um feroz apoio ao estado policial. Talvez seja por isso que prefiro aqueles que dizem estar em um impasse: significa que levarão um certo tempo para pensar a situação. É difícil pensar no espanto. É preciso ter tempo, e ter companhia para atravessar esse tempo – há, talvez, espaço para que isso se dê em um “rassemblement” não autorizado.

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: