jump to navigation

folha Outubro 17, 2016

Posted by paulo jorge vieira in Uncategorized.
1 comment so far

folha2

a folha branca assusta-me

a tinta suja

o texto nasce

a folha completa-se

ou completa-me

 

Anúncios

forever young Outubro 13, 2016

Posted by paulo jorge vieira in musica, poesia, Uncategorized.
Tags: ,
add a comment

Joan_Baez_Bob_Dylan_crop.jpg

 

no final dos anos 80 o meu “eu” adolescente teve uma música muito especial. uma canção com letra e música de Bob Dylan, hoje premiado com o Nobel da Literatura. aqui fica o poema de “forever young”. e duas versões da música: a de Dylan e a minha preferida, a de Joan Baez.

May God bless and keep you always
May your wishes all come true
May you always do for others
And let others do for you
May you build a ladder to the stars
And climb on every rung
May you stay forever young
Forever young, forever young
May you stay forever young.

May you grow up to be righteous
May you grow up to be true
May you always know the truth
And see the lights surrounding you
May you always be courageous
Stand upright and be strong
May you stay forever young
Forever young, forever young
May you stay forever young.

May your hands always be busy
May your feet always be swift
May you have a strong foundation
When the winds of changes shift
May your heart always be joyful
And may your song always be sung
May you stay forever young
Forever young, forever young
May you stay forever young.

como é difícil acordar calado Outubro 11, 2016

Posted by paulo jorge vieira in activismo, musica, Uncategorized.
1 comment so far

chico

Cálice (poema de Chico Buarque) nesta belíssima versão. Hoje é para mim símbolo de lutas contínuas, de dores sentidas no quotidiano, de resistências necessárias, de vontades desejadas. Esta é uma versão recente com Aline Lessa e Caio Prado. Bonitos e resistentes, este poema e esta melodia. 


Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor, engolir a labuta
Mesmo calada a boca, resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

De muito gorda a porca já não anda
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, pai, abrir a porta
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade
Mesmo calado o peito, resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue

Talvez o mundo não seja pequeno
Nem seja a vida um fato consumado
Quero inventar o meu próprio pecado
Quero morrer do meu próprio veneno
Quero perder de vez tua cabeça
Minha cabeça perder teu juízo
Quero cheirar fumaça de óleo diesel
Me embriagar até que alguém me esqueça