jump to navigation

Agustina por Agustina. Junho 3, 2019

Posted by paulo jorge vieira in literatura, livros.
add a comment

Agustina por Agustina.

Eu não dou sossego a quem me ouve, não deixo que parem no dia santo, porque ponho pedra firme até na água e projecto na criança de mama, e pingo de azeite na porta perra, e juízo no louco que se faz desentendido e diz: «Isto não é comigo.»

*

Não sou vaidosa. Sou contente, sou feliz e agradecida dos meus dotes de coração, dos meus talentos, da luz dos meus olhos, da saúde física, do vigor moral. Bens momentâneos – bem o sei. Valores falíveis e facilmente dispersos no tempo. Mas é nesta alegria, nesta exaltação vital, que está o meu cântico à vida – humano e, contudo, esplêndido, divino e, contudo, humilde.

*

Eu não sou justa, ajuízo as coisas. Eu e a justiça somos pura coincidência; o facto de isto se repetir faz talvez o prodígio, mas não a certeza.

*

Nunca me senti cansada a descrever o humano, precisamente porque participo de tudo o que é humano. Nunca me senti marcada, em misteriosa contradição com o comum dos outros, nunca experimentei o sentimento de estar à parte, de estar isolada. Eu consigo participar da despreocupação dos momentos vividos, e posso revelá-los pela palavra, sem que eles se alterem e se intensifiquem pela observação.

*

A minha obra é portuguesa, constituída por sentimento e gente portugueses até à medula.

*

Tudo o que eu escrevo se destina a interessar as pessoas na sua própria entidade. Daí, muitas vezes, ela ter um efeito devastador, a obra e a pessoa que a produz. Sobretudo a pessoa, devo dizer. Eu desmarco os outros da rotina, espanto a manada. Depois os efeitos são maravilhosos, combinam com a imortalidade.

*

Se eu não sou poética, apesar de dizerem que sou, cada vez com mais veemência e singular teimosia sei descobrir nas coisas comuns uma directa via que as leva ao coração, que as torna capazes de serem mais doces do que a lírica mais melodiosa.

*

Não quero como assunto nada de extravagante, mesmo com timbre de lírico. Não quero brilhar, nem convencer, coisa que os poetas querem muitas vezes. Quero ser sóbria de palavras, constante de gratidão, verídica de fidelidade para quem confia em mim.

*

Para mim é fácil ser verdadeira quanto à minha insinceridade.

“Dicionário Imperfeito”, Selecção e Organização de Manuel Vieira da Cruz e Luís Abel Ferreira, Guimarães Editores

Same-Sex Desires in Post-Revolutionary Iran Abril 3, 2019

Posted by paulo jorge vieira in academia, lgbt no mundo, publicações, teoria queer.
Tags: , ,
add a comment

Gay Life Stories – Same-Sex Desires in Post-Revolutionary Iran

Jón Ingvar Kjaran

Palgrave Macmillan, 2019, 233pp.

Drawing on ethnographic encounters with self-identified gay men in Iran, this book explores the construction, enactment, and veiling and unveiling of gay identity and same-sex desire in the capital city of Tehran. The research draws on diverse interpretive, historical, online and empirical sources in order to present critical and nuanced insights into the politics of recognition and representation and the constitution of same-sex desire under the specific conditions of Iranian modernity. As it engages with accounts of the persecuted Iranian gay male subject as a victim of the barbarism of the Islamic Republic of Iran, the book addresses interpretive questions of sexuality governance in transnational contexts and attends to issues of human rights frameworks in weighing social justice and political claims made by and on behalf of sexual and gender minorities. The book thus combines empirical data with a critical consideration of the politics of same-sex desire for Iranian gay men.

Writing a book has often been compared to a journey, from the initial idea to the publication of the book. For me, this book started with an actual journey to Iran in 2014—a journey that, back then, I did not know where it would take me in the end. I became fascinated with Iranian culture and the hospitality of its people, and met, for the first time, gay Iranians, who then became my friends and main informants during my subsequent fieldtrips. Until then, I had never met any gay- or lesbian-identifying Iranians and had only read about their situation in the Western media, which usually depicted them as sexually oppressed victims of the “Islamic-fascist” state, who were in need of being saved by the liberal democracies of the West. Hence, during my first trip there, I encountered a different world of gay life than the one depicted in the Western “gay” media: It was neither a world full of fear and oppression nor optimal in terms of gay livability. It was somehow a world or a place “in between,” being constantly made and remade by its occupants—some kind of heterotopia in a Foucauldian sense. It was a place/space that was somehow “other,” a world within a world, hidden and underneath mainstream society. It was a world with many more layers than immediately met the eye.

That was exactly my experience. To begin with, there were many aspects of gay life in Iran that did not straight away meet the eye of the researcher – the gay outsider coming from the West. I therefore had to “dig” deep into this world and meet different people, in different places/spaces, to get a glimpse of the many layers of the Iranian gay community, and to try to understand what it means to live as a gay subject in the Islamic Republic of Iran. I was guided from the beginning with the following question: How are Iranian gay males constituted as subjects in the Islamic Republic of Iran and how do they negotiate and navigate their lives within the limits of their cultural and social context? I gradually found out that there is no one answer to that question and therefore I present in this book different stories and versions of gay life in Iran; stories told by my friends and informants, who all identify as gay or non-heterosexual. Their stories and embodied experiences form the basis of the book and through them we gain insight into the livability of gay-identifying/non-heterosexual men in Iran. That being said, I do not claim to be giving a representative account of being gay or non-heterosexual in Iran. Rather, the book should be seen as presenting different aspects among many, in terms of gay livability in contemporary Iran. The main focus is predominantly on gay-identifying men living in Tehran, the capital of Iran.

Four years later, and after several fieldtrips to Tehran, I come to an end of my journey and present in a book the stories I was trusted with, told by my informants and friends. In Chap. 1, I give an overview of the main arguments of the book and its objectives. I also introduce the field andcontext of the research, as well as discuss my positionality and the ethical issues of conducting ethnographic research “underground.” Chapter 2 lays out the theoretical foundations, where I particularly draw on, and discuss the work of, Foucault and other post-structural theorists. Chapter 3 is co-written with my colleague and friend Wayne Martino. In Chap. 3, we engage with important historical sources and accounts that speak to the historical contingencies of the emergence of same-sex desire and the category of “the homosexual” in Iran. We incorporate into this account the political and social history of Iran from the latter part of the twentieth century until the present. Chapter 4 addresses the power of the pink press and how the Iranian gay subject is constructed through different discourses outside of Iran. Here I raise important political questions of misrepresentation in the reporting of the current situation of sexual minorities in Iran. In Chap. 5, I turn to ethical relationality and draw on the embodied experience of gay-identifying Iranian men. I take up a particular Foucauldian analysis and work mainly with Foucault’s ideas on the technologies or practices of the self. Throughout the chapter, I present empirical examples of how gay Iranian men constitute themselves, and how they are constituted by dominant discourses of gender and sexuality.

By providing different accounts of gay existence in Iran, the aim of the chapter is to juxtapose the one-dimensional liberationist discourse presented in the West of the victimized Iranian gay male, discussed in Chap. 4. Chapter 6 focuses on gay/queer activism among Iranian gay men, living inside of the Islamic Republic of Iran. It discusses what it means to be a gay activist, drawing attention to the socio-cultural context and particular historicity. It draws on interviews with gay-identifying Iranian males that could be seen/defined as activists, not only fighting for sexual rights but also political rights in general. Chapter 7 draws on Foucauldian analytical frameworks, as well as on Judith Butler’s writings on abjection, and addresses the intersection of sexuality, gender, and bodies in terms of HIV/AIDS. It explores how the discourse on HIV/AIDS has evolved within Iran and how those bodies, who live outside of what can be considered culturally intelligible in terms of seropositivity, sexuality, and gender, are constructed. Chapter 8 provides empirical insights into how gay/queer Iranian men navigate their lives between different spaces – social, virtual, and physical – in order to accommodate their gay identity and sexual desires within the legal-social and Islamicframe of modern Iran. By employing Foucauldian analytic frameworks that attend to questions of heterotopic spatiality, and in conjunction with Massey’s notion of power geometries and how space is produced, I illuminate the complexity of queer Iranian men’s spatio-temporal modes of sociality in relation to sexual practices and being gay/queer. The final chapter, Chap. 9, synthesizes my main arguments and discusses how we can go beyond the binary thought of utopia/dystopia, when addressing interpretive questions of quality of life and livability for gay-identifying men in a transnational context such as Iran.”

Jón Ingvar Kjaran

(np) o espectro dos que partem. Abril 2, 2019

Posted by paulo jorge vieira in diário.
Tags:
add a comment

num momento em que o quotidiano me leva a celebrar a vida de múltiplas formas: novos seres humanos lindos a nascer; gente boa e querida a festejar aniversário, ou a atingir novos e desejados patamares, não consigo deixar de lado um espectro escuro e denso que se vai infiltrando nesse mesmo quotidiano. um espectro de finitude, de ausência, de perda. o espectro dos que partem.

(np) feio mundo Março 27, 2019

Posted by paulo jorge vieira in diário.
Tags:
add a comment

Nestes dias, feios e frios, que vivemos só apetece mesmo nos fecharmos em qualquer caverna. Hoje seja qual for o tema a violência discursiva é meio e forma de debate. Assim o mundo se torna duro. Assim se torna difícil estar. Assim se torna difícil viver os dias. Incrível como tanto ódio se destila nos espaços mediáticos, em especial nas redes sociais. Hoje é apenas mais um dia. Um dia de afastamento do mundo.

(np) estéril poemar Março 21, 2019

Posted by paulo jorge vieira in diário.
Tags: ,
add a comment

Ainda que hoje seja o Dia Mundial da Poesia, e que eu ame fulgurantemente a poesia, sinto uma incapacidade real de poemar. Hoje o poema não se lê, não se vê, não se escreve, não se diz, não se grita. Hoje o poema é uma tristeza sem fundo. Uma dureza limitante. Um poema duro, seco e estéril que não consigo verbar.

(pmr 34) ode à mentira Março 6, 2019

Posted by paulo jorge vieira in poemas, poesia.
Tags: , ,
add a comment

Crueldades, prisões, perseguições, injustiças, 
como sereis cruéis, como sereis injustas? 
Quem torturais, quem perseguis, 
quem esmagais vilmente em ferros que inventais, 
apenas sendo vosso gemeria as dores 
que ansiosamente ao vosso medo lembram 
e ao vosso coração cardíaco constrangem. 
Quem de vós morre, quem de por vós a vida 
lhe vai sendo sugada a cada canto 
dos gestos e palavras, nas esquinas 
das ruas e dos montes e dos mares 
da terra que marcais, matriculais, comprais, 
vendeis, hipotecais, regais a sangue, 
esses e os outros, que, de olhar à escuta 
e de sorriso amargurado à beira de saber-vos, 
vos contemplam como coisas óbvias, 
fatais a vós que não a quem matais, 
esses e os outros todos… – como sereis cruéis, 
como sereis injustas, como sereis tão falsas? 
Ferocidade, falsidade, injúria 
são tudo quanto tendes, porque ainda é nosso 
o coração que apavorado em vós soluça 
a raiva ansiosa de esmagar as pedras 
dessa encosta abrupta que desceis. 
Ao fundo, a vida vos espera. Descereis ao fundo. 
Hoje, amanhã, há séculos, daqui a séculos? 
Descereis, descereis sempre, descereis. 

Jorge de Sena

‘Me quedo contigo’ Fevereiro 10, 2019

Posted by paulo jorge vieira in Uncategorized.
add a comment

Um momento lindo. Vozes, música, querer, desejo, acreditar, escolha. Lindo. Intenso.

Si me das a elegir
Entre tú y la riqueza
Con esa grandeza
Que lleva consigo, ay amor
Me quedo contigo

Si me das a elegir
Entre tú y la gloria
Pa que hable la historia de mi
Por los siglos, ay amor
Me quedo contigo

Pues me enamorado
Y te quiero y te quiero
Y sólo deseo
Estar a tu lado
Soñar con tus ojos
Besarte los labios
Sentirme en tus brazos
Que soy muy feliz.

Si me das a elegir
Entre tú y ese cielo
Donde libre es el vuelo
Para ir a otros nidos, ay amor
Me quedo contigo

Si me das a elegir
Entre tú y mis ideas
Que yo sin ellas
Soy un hombre perdido, ay amor
Me quedo contigo

Mia Couto: “há quem tenha medo que o medo acabe” Janeiro 22, 2019

Posted by paulo jorge vieira in Uncategorized.
add a comment

Um texto de 2011, apresentado no Estoril. Um texto de Mia Couto. Um texto a pensar a sentir o medo. Esse medo que tanto estamos a deixar contaminar os nossos quotidianos.

Murar o Medo

O medo foi um dos meus primeiros mestres. Antes de ganhar confiança em celestiais criaturas, aprendi a temer monstros, fantasmas e demônios. Os anjos, quando chegaram, já era para me guardarem. Os anjos atuavam como uma espécie de agentes de segurança privada das almas.

Nem sempre os que me protegiam sabiam da diferença entre sentimento e realidade. Isso acontecia, por exemplo, quando me ensinavam a recear os desconhecidos. Na realidade, a maior parte da violência contra as crianças sempre foi praticada, não por estranhos, mas por parentes e conhecidos. Os fantasmas que serviam na minha infância reproduziam esse velho engano de que estamos mais seguros em ambiente que reconhecemos.

Os meus anjos da guarda tinham a ingenuidade de acreditar que eu estaria mais protegido apenas por não me aventurar para além da fronteira da minha língua, da minha cultura e do meu território. O medo foi, afinal, o mestre que mais me fez desaprender. Quando deixei a minha casa natal, uma invisível mão roubava-me a coragem de viver e a audácia de ser eu mesmo. No horizonte, vislumbravam-se mais muros do que estradas.

Nessa altura algo me sugeria o seguinte: que há, neste mundo, mais medo de coisas más do que coisas más propriamente ditas.

No Moçambique colonial em que nasci e cresci, a narrativa do medo tinha um invejável casting internacional. Os chineses que comiam crianças, os chamados terroristas que lutavam pela independência e um ateu barbudo com um nome alemão. Esses fantasmas tiveram o fim de todos os fantasmas: morreram quando morreu o medo.

Os chineses abriram restaurantes à nossa porta, os ditos terroristas são hoje governantes respeitáveis e Carl Marx, o ateu barbudo, é um simpático avô que não deixou descendência. O preço dessa construção de terror foi, no entanto, trágico para o continente africano. Em nome da luta contra o comunismo, cometeram-se as mais indizíveis barbaridades.

Em nome da segurança mundial, foram colocados e conservados no poder alguns dos ditadores mais sanguinários de toda a história. A mais grave dessa longa herança de intervenção externa é a facilidade com que as elites africanas continuam a culpar os outros pelos seus próprios fracassos.

A Guerra Fria esfriou, mas o maniqueísmo que a sustinha não desarmou, inventando rapidamente outras geografias do medo: a Oriente e a Ocidente e, por que se trata de entidades demoníacas, não bastam os seculares meios de governação. Precisamos de intervenção com legitimidade divina.

O que era ideologia passou a ser crença. O que era política, tornou-se religião. O que era religião, passou a ser estratégia de poder.

Para fabricar armas, é preciso fabricar inimigos. Para produzir inimigos, é imperioso sustentar fantasmas.

A manutenção desse alvoroço requer um dispendioso aparato e um batalhão de especialistas que, em segredo, tomam decisões em nosso nome. Eis o que nos dizem: para superarmos as ameaças domésticas, precisamos de mais polícia, mais prisões, mais segurança privada e menos privacidade. Para enfrentarmos as ameaças globais, precisamos de mais exércitos, mais serviços secretos e a suspensão temporária da nossa cidadania.

Todos sabemos que o caminho verdadeiro tem que ser outro. Todos sabemos que esse outro caminho poderia começar, por exemplo, pelo desejo de conhecermos melhor esses que, de um e de outro lado, aprendemos a chamar de “eles”. Aos adversários políticos e militares juntam-se agora o clima, a demografia e as epidemias. O sentimento que se criou é o seguinte: a realidade é perigosa, a natureza é traiçoeira e a humanidade, imprevisível.

Vivemos como cidadãos, e como espécie, em permanente situação de emergência. Como em qualquer outro estado de sítio, as liberdades individuais devem ser contidas, a privacidade pode ser invadida e a racionalidade deve ser suspensa. Todas essas restrições servem para que não sejam feitas perguntas, como por exemplo, estas: por que motivo a crise financeira não atingiu a indústria do armamento? Por que motivo se gastou, apenas no ano passado, um trilhão e meio de dólares em armamento militar? Por que razão os que hoje tentam proteger os civis na Líbia são exatamente os que mais armas venderam ao regime do coronel Kadafi? Por que motivo se realizam mais seminários sobre segurança do que sobre justiça? Se queremos resolver e não apenas discutir a segurança mundial, teremos que enfrentar ameaças bem reais e urgentes.

Há uma arma de destruição massiva que está sendo usada todos os dias, em todo o mundo, sem que seja preciso o pretexto da guerra.

Essa arma chama-se fome.

Em pleno século XXI, um em cada seis seres humanos passa fome. O custo para superar a fome mundial seria uma fração muito pequena do que se gasta em armamento. A fome será, sem dúvida, a maior causa de insegurança do nosso tempo.

Mencionarei ainda uma outra silenciada violência: em todo o mundo, uma em cada três mulheres foi — ou será — vítima de violência física ou sexual durante o seu tempo de vida. É verdade que, sobre uma grande parte do nosso planeta, pesa uma condenação antecipada pelo fato simples de serem mulheres.

A nossa indignação, porém, é bem menor que o medo. Sem darmos conta, fomos convertidos em soldados de um exército sem nome e, como militares sem farda, deixamos de questionar. Deixamos de fazer perguntas e discutir razões. As questões de ética são esquecidas, porque está provada a barbaridade dos outros e, porque estamos em guerra, não temos que fazer prova de coerência, nem de ética nem de legalidade.

É sintomático que a única construção humana que pode ser vista do espaço seja uma muralha. A Grande Muralha foi erguida para proteger a China das guerras e das invasões. A Muralha não evitou conflitos nem parou os invasores. Possivelmente morreram mais chineses construindo a muralha do que vítimas das invasões que realmente aconteceram. Diz-se que alguns trabalhadores que morreram foram emparedados na sua própria construção.

Esses corpos convertidos em muro e pedra são uma metáfora do quanto o medo nos pode aprisionar.

Há muros que separam nações, há muros que dividem pobres e ricos, mas não há hoje, no mundo um muro, que separe os que têm medo dos que não têm medo. Sob as mesmas nuvens cinzentas vivemos todos nós, do sul e do norte, do ocidente e do oriente. Citarei Eduardo Galiano acerca disto, que é o medo global, e dizer:

“Os que trabalham têm medo de perder o trabalho; os que não trabalham têm medo de nunca encontrar trabalho; quando não têm medo da fome têm medo da comida; os civis têm medo dos militares; os militares têm medo da falta de armas e as armas têm medo da falta de guerras.

E, se calhar, acrescento agora eu: há quem tenha medo que o medo acabe.

Muito obrigado.

(cfp) War on women? Feminist geographies of trouble/hope in the authoritarian turn Janeiro 14, 2019

Posted by paulo jorge vieira in academia, Feminismos, geografias, teoria e epistemologia da geografia.
Tags: , , ,
add a comment

War on women? Feminist geographies of trouble/hope in the authoritarian turn

Sponsored by the Gender and Feminist Geographies Research Group

CALL FOR PAPERS RGS-IBG ANNUAL CONFERENCE 2019
28th August – 30th August 2019, London

The rise of illiberal democracy and nativist populism has provoked suggestions both within the academic literature and popular discourse that we are now witnessing a ‘global authoritarian turn’ (Handel and Dayan 2017). Yet beneath the explicit nationalism of authoritarian political discourse, a subtler but no less important battle is raging along the axis of gender. From growing anti-abortion rhetoric in the US to Duterte’s suggestions of impunity for military rape in the Philippines, women’s bodies have become the biopolitical locus of a movement that is ‘waging war on women’ (The Atlantic 2018). 

Authoritarian environments are, therefore, increasingly spaces of trouble for women who embody the spectre of illiberalism as their rights and freedoms are stripped away by male-dominated authoritarian regimes (Spierings and Zaslove 2015). This occurs, among other means, through the symbiotic attrition of neo-conservative equality outrage and neoliberal welfare outage. Whilst this suggests the renewed importance of a gendered lens for understanding unfolding intersectional oppressions within the ascendancy of illiberalism, the authoritarian turn has instead brought an existential challenge to feminist scholarship itself. Here, for example, in Hungary, Victor Orbán’s government has banned the teaching of gender studies in public universities. Yet women are not merely passive objects of authoritarian statecraft but inhabit, instead, contradictory roles among its architects and prime antagonists. In terms of the latter, women’s mobilisations – from the Women’s March in the US to Poland’s Black Protest – offer ‘spaces of hope’ (Harvey 2002) amidst the crisis: sites from which alternative politics are devised and pursued.

In this session, we invite critical geographical interventions on the gendered embodiment of the authoritarian turn, inviting in particular feminist reflections that unpack the contradictory and multiple gendered dimensions of the ascendance of illiberalism. Theoretical and empirical debates on all themes are welcomed, as well as papers dealing with the challenges of practising feminist scholarship in illiberal contexts – whether in the field or the academy.

Please contact the session convenor, Sabina Lawreniuk (sabina.lawreniuk@rhul.ac.uk), with any questions if you are interested in presenting or send an abstract of ~250 words by 12th February 2019.

o medo como afeto político Janeiro 11, 2019

Posted by paulo jorge vieira in activismo, teoria social.
add a comment

O medo como afeto político, por exemplo, tende a construir a imagem da sociedade como corpo tendencialmente paranóico, preso à lógica securitária do que deve se imunizar contra toda violência que coloca em risco o princípio unitário da vida social. Imunidade que precisa da perpetuação funcional de um estado potencial de insegurança absoluta vinda não apenas do risco exterior, mas da violência imanente da relação entre indivíduos. Imagina-se, por outro lado, que a esperança seria o afeto capaz de se contrapor a esse corpo paranoico. No entanto, talvez não exista nada menos certo do que isso. Em primeiro lugar, porque não há poder que se fundamente exclusivamente no medo. Há sempre uma positividade a dar às estruturas de poder sua força de duração. Poder é, sempre e também, uma questão de promessas de êxtase e de superação de limites. Ele não é só culpa e coerção, mas também esperança de gozo. Nada nem ninguém consegue impor seu domínio sem entreabrir as portas para alguma forma de êxtase e gozo. Por isso, como sabemos desde Spinoza, “metis” e “sper” se complementam, há uma relação pendular entre os dois: “não há esperança sem medo, nem medo sem esperança”.Daí por que “viver sem esperança”, disse uma vez Lacan, “é também viver sem medo”.

Vladimir Safatle, “Circuitos dos Afetos – Corpos políticos, Desamparo, Fim do Indivíduo”, São Paulo: Cosac Naify, 2015